AGIR, cantando Abril, homenageia cancioneiro do 25 de Abril

|

AGIR – Cantando Abril é um concerto de homenagem de um dos mais importantes artistas contemporâneos da música portuguesa ao cancioneiro do 25 de Abril, aos seus poetas e músicos de intervenção, como Zeca Afonso, Sérgio Godinho ou Fausto, entre outros. Com emissão às 22H30 deste sábado, 24 de Abril, AGIR – Cantando Abril inaugura a programação especial que a RTP preparou para a comemoração dos 47 anos do 25 de Abril, nos seus canais 1, 2 e Memória. 

O concerto foi gravado no Cineteatro Capitólio e conta com as participações especiais dos cantores Ana Bacalhau, Buba Espinho e Carolina Milhanas, e de Gaspar Varela na guitarra portuguesa.

AGIR – Cantando Abril surge após a sua recente participação especial no Festival da Canção, em que cantou dois dos maiores clássicos de todos os tempos da música portuguesa, “Flor Sem Tempo” e “E Depois do Adeus” numa homenagem ao pai, Paulo de Carvalho. A surpresa que a RTP preparou permitiu a muitos recordar e a tantos outros descobrir duas das canções mais emblemáticas do Festival da Canção, que se tornaram referências maiores do cancioneiro pop nacional, em particular “E Depois do Adeus” que, com letra de José Niza, venceu a 12ª edição do Festival RTP da Canção e serviu de primeira senha à revolução do 25 de Abril, consagrando  Paulo de Carvalho como um artista de excepção e um dos ícones da luta pela democracia em Portugal.

Com 3 álbuns de originais em nome próprio, o primeiro, homónimo, o segundo Leva-me a sério” e o último No FameAGIR é um dos mais reputados artistas da sua geração, sendo presença constante nas playlists da rádios com os seus temas a solo e diversas colaborações com alguns dos maiores nomes da música nacional como Ana Moura, Carolina Deslandes, Diogo Piçarra, Karetus, Papillon ou 9 MILLER. No seu percurso contam-se várias conquistas, entre as quais três Coliseus esgotados, o prémio “Best Portuguese Act” nos MTV EMA 2015, o Globo de Ouro de “Melhor Intérprete Individual” ou  o galardão de disco de Platina pelo álbum “Leva-me A Sério”.

Quando a pandemia eclodiu preparava o lançamento do seu novo e quarto álbum de originais, que decidiu guardar para uma fase menos conturbada, tendo então lançado Alma”, uma canção escrita como um contributo para ajudar as pessoas a vencerem a solidão, numa altura em que as perturbações mentais dispararam ou se agravaram, devido ao confinamento, à degradação das condições económicas, à incerteza quanto ao futuro e a tantas outras causas individuais, tendo entregue 100% do lucro dos plays à Associação SOS Voz Amiga.  

Com o fim do estado de emergência à vista, AGIR pondera agora reavaliar a melhor data para partilhar com o público as canções do seu novo disco, prometendo novidades para breve.

Anterior

Luca Argel com ‘Samba de Guerrilha’ ao vivo no teatro Trindade

“António Zambujo Voz e Violão” é hoje editado o novo trabalho do músico

Seguinte