António Zambujo vai lançar novo single, ‘Lote B’, dia 12 de Fevereiro

|

Falta um par de dias para António Zambujo revelar “Lote B”, o primeiro single do seu novo e nono álbum, o oitavo de originais, com edição prevista para Março. Um disco que é o primeiro grande acontecimento musical de 2021 ou não fosse António Zambujo um dos maiores artistas, autores e intérpretes contemporâneos da música e da língua portuguesas, e um dos seus mais notáveis embaixadores no mundo.

Recentemente interpretou, num dueto com Gal Costa editado no seu novo álbum “Gal 75”, o clássico de Tom Jobim e Chico Buarque “Pois é”, gravado originalmente no álbum “Água viva” (1978), confessando que “cantar com a Gal é cantar com uma lenda! Um sonho tornado realidade, cantando uma música de Tom! Melhor é impossível!”.

Esta colaboração é mais uma homenagem de António Zambujo ao cancioneiro brasileiro, em particular à Bossa Nova, que incorporou na sua música, primeiro forjada na tradição do Cante Alentejano e do Fado, de onde partiu para criar uma personalidade única, inspirando um novo ciclo na música portuguesa. Na sua discografia, “Até Pensei Que Fosse Minha”, o álbum de tributo a Chico Buarque que editou em 2016 e que lhe valeu inclusivamente a nomeação para o Grammy Latino no ano seguinte, na categoria de Melhor Disco de MPB, não causou por isso estranheza.

Também não foi estranho que em finais de 2018 tenha chamado “Do Avesso” ao novo álbum de originais, em que voltou a reinventar-se, recorrendo  à participação da Orquestra Sinfonietta de Lisboa, e que acabaria por ser distinguido com o Prémio José Afonso 2019. O júri considerou que “Do Avesso” representava “não só a continuação do percurso extremamente coerente de António Zambujo, mas também um ponto alto pela confirmação das suas qualidades interpretativas e a grande inspiração criativa que revela” e acrescentou ainda  que “cada canção de António Zambujo conta uma história, e cada álbum é, em si, uma história, na linha de José Afonso, para quem a música estava intrinsecamente ligada quer à sua vida interior quer às circunstâncias do mundo em que viveu”.

O novo álbum de originais é por isso o capítulo seguinte na obra deste talento perene, precioso e primordial como um diamante, cuja audição torna a ligar-nos ao mundo, quando tudo, neste momento instável e imprevisível de pandemia, nos tem ora assustado, ora alienado.

Anterior

Cassierra festeja golo insuficiente para a merecida vitória

Luca Argel vai editar ‘Samba de Guerrilha’ o novo disco em conceito de samba ópera

Seguinte