“Dancing with bullets” é o novo single do projeto a solo de Cabrita

|

Dancing with bullets” é o novo single do projeto a solo de Cabrita e conta com a participação de Tó Trips (Dead Combo).

Este single antecede o lançamento de um LP de estreia a solo, a ser editado em outubro de 2020, pela Omnichord Records. Neste disco de estreia, Cabrita, junta quatro saxofones, bateria, teclas e guitarra a explorar fronteiras entre géneros musicais.

Sobre este tema e a parceria com  TripsCabrita diz que “Ia eu já com uns 10 temas alinhavados e sentia-me prestes a chegar a um ponto de bloqueio. Liguei ao mestre Tó Trips e perguntei-lhe se tinha lá por casa alguma ideia inacabada sobre a qual eu pudesse compor, fazendo assim uma escrita em cadeia. Ele mandou-me esta base de guitarras e percussão que, mal ouvi, me fez um clique. Gravei logo todos os sopros e desenhei o arranjo de bateria para mais tarde o Rui Alves gravar no estúdio Nascer do Som, do Francisco Rebelo. Acabou por ser uma abordagem mais “exótica” ao já conhecido universo sonoro do Tó.

O que há de comum entre Sitiados, Kussundulola, Legendary Tigerman, Dead Combo, Caetano Veloso, Sérgio Godinho, Cais Sodré Funk Connection ou Orelha Negra ?

Mais de 30 anos de colaborações em discos e presenças em palco a acompanhar nomes maiores do universos da música portuguesa, dos mais variados géneros que vão do jazz ao rock ou à electrónica, atravessando o universo pop-rock.

Dancing with bullets” vem acompanhado de um vídeo realizado por Miguel Leão que representa a primeira parte de uma curta-metragem dividida em quatro atos que serão apresentados ao longo dos próximos meses com o lançamento de outros singles deste disco.

Leão descreve a curta-metragem que idealizou para este projeto através da sinopse abaixo que, não só contextualiza este novo vídeo como desvenda o imaginário que se pode esperar dos restantes três atos:

Por entre as sombras de Lisboa. Um Detective privado segue a pista de uma Mulher misteriosa. À procura de um sentido para a sua investigação acaba por ficar preso num loop.

A história é narrada pelo Saxofonista, que nos transporta para esta realidade subvertida e recontada da cidade. Lisbon Underground.

Anterior

Estoril Sol celebra 20 anos da “Egoísta”

Gazebo, um libanês que influenciou o movimento synthpop italiano

Seguinte

Deixe um comentário

%d bloggers like this: