FOCUSMSN | MUSIC & SPORT NEWS

O vinil de ‘SUNLIT’, novo projeto do produtor Joe Moore, já está disponível

O vinil de ‘SUNLIT’, novo projeto do produtor Joe Moore, já está disponível

|

No dia 8 de março foi lançado “SUNLIT”, primeiro álbum do novo projeto homônimo do produtor Joe Moore, e a recepção foi tão linda que a Elefant Records preparou uma surpresa.

Uma edição limitada de 300 exemplares em vinil preto que será lançada esta sexta-feira, 31 de maio, numa referência que está destinada a ser objeto de desejo dos colecionadores.

E esta é provavelmente a proposta mais introspectiva de Joe, com a qual os fãs de Mazzy Star, Alvvays, Beach House ou Cocteau Twins vão derreter. Porque suas músicas são carícias superficiais, delícias sonoras íntimas e quebradiças, mas emocionalmente expansivas.

Joe Moore continua a mostrar uma atividade criativa sem precedentes. O número e a diversidade de álbuns que lançou e produziu para a Elefant Records desde 2011 são incomuns. Abriu as referências “Jukebox Romance” (2012) do THE YEARNING, destilando delicadeza e habilidade artesanal em maravilhosos exercícios de camer pop, assim como faziam os grupos vocais femininos dos anos 50.

Desde então, desenvolveu trabalhos para Lia Pamina, produziu R’n’B e pop eletrônico para Maddie Mae e escreveu canções Italo disco e Europop dos anos oitenta junto com Cristina Quesada. Realizou também, em colaboração com Julie Big (ex-vocalista do LE SUPERHOMARD) o projeto JULIE ET ​​​​JOE, com o qual fez uma merecida homenagem ao pop francês dos anos 80; Ele mergulhou no pop eletrônico junto com Holly Vanags sob o nome de THE PERFECT KISS; e prestou homenagem, junto com Luci Ashbourne, ao ABBA, à música disco e, em geral, ao pop dos anos 70 no último álbum do THE YEARNING, publicado em 2020.

E, depois de ter percorrido todos estes territórios, regressa com este projecto a solo, estreando com um trabalho de dream pop, shoegazing e folk-pop com certos ecos de crooner em que a elegância das melodias, o relaxamento mais profundo e o romantismo.

SUNLIT chama a atenção porque, dessa vez, ele canta as músicas. Navegando pelos mares do dream pop, entre paisagens de reverberações atmosféricas, Joe Moore nos oferece uma bela e cativante proposta que se caracteriza pela austeridade nos arranjos, justamente o oposto de THE YEARNING, e pela nitidez nas melodias.

Ele assume completamente as funções vocais e, com algumas guitarras, baixo, bateria e teclado ocasional, preenche suas músicas e nos transporta para algum lugar entre Richard Hawley e Mazzy Star, lugares onde a tristeza é beleza, onde as lágrimas são doces, onde a auto-estima a compaixão é um exercício de reconstrução.

Nossos olhos se iluminam e nossos corações se aquecem com músicas como ‘Someone so beautiful’, ‘1985’ ou ‘I will not let you go’. O impressionante ‘Break my heart’ expõe o desafio de sempre amar alguém, não importa o que faça. E ‘Back’, que parece retirado da trilha sonora da série cult Twin Peaks, fala sobre arrependimento e desejo de fugir do passado.

Los espíritus nocturnos atraviesan ‘Glorious isolation‘, que, como explica el propio Joe, trata sobre el momento de West Side Story en el que Tony ve a Maria. ‘Teenager‘ explora el sentimiento del amor juvenil y enciende las luces para evocarnos a Cigarettes After Sex; aquí sí, los arreglos brillan maravillosamente para demostrar que la belleza por contraste, la dinámica, sorprende al igual que un beso inesperado.

Y, como remate, hace de puente entre su diversa investigación musical y el italo disco seco e híper melódico de la canción ‘Don’t cry tonight‘ de Savage, que se trae al presente para versionarla dentro del espectro melancólico y funciona como si hubiera sido compuesta para ser tocada de esta manera. Maravillosa.

Nos encontramos, sin duda, frente a su propuesta más personal, en la que todas las canciones están llenas de significado y cuyas letras están directamente influenciadas por la vida de nuestro protagonista, donde los sentimientos están más a flor de piel. Resulta absolutamente increíble la manera en la que Joe Moore transita entre estilos, siempre con solvencia, inspiración y una ejecución extraordinaria.

Anterior

Cláudia Pascoal lança “Três É Demais” com Mike El Nite e Rebeca

Tiago Iorc apresenta álbum “Daramô”, no Casino Estoril

Seguinte