Chris Norman, o mestre das baladas, com mais de 50 anos de carreira

|

Nascido em 1950 em Inglaterra, Christopher Ward Norman, adquiriu sua primeira guitarra aos sete anos de idade. Suas primeiras influências musicais foram Elvis Presley , Little Richard e Lonnie Donegan .

Quando adolescente, influenciado pela nova era de grupos como The Beatles, The Rolling Stones e o cantor folk Bob Dylan, Norman passava quase todo o seu tempo livre aprendendo novas músicas com as suas guitarras. Mais tarde, juntamente com Silson, Ron Kelly e Pete Spencer fundariam o grupo Smokie.

Entre 1974 e o início dos anos 80, Smokie teve sucesso em turnês em todo o mundo, mas a tensão e a pressão de estar constantemente longe de casa e da família começaram a pesar sobre Norman. No início dos anos 80, ele decidiu passar mais tempo escrevendo e trabalhando no estúdio. Norman e Spencer agora trabalhavam juntos em músicas de outros artistas como Agnetha Fältskog, Racey ou Heavy Metal Kids.

Em 1978, Norman gravou um dueto com Suzi Quatro, “Stumblin ‘In”, que ficou em quarto lugar na Billboard Hot 100 dos EUA e vendeu mais de um milhão de cópias.

A carreira solo de Norman descolou em 1986 com a música “Midnight Lady”, que foi um sucesso em toda a Europa, mantendo o primeiro lugar na Alemanha por seis semanas (onde vendeu 900.000 cópias). Mais sucessos vieram em seguida com músicas “Some Hearts Are Diamonds”, “No Arms Can Ever Hold You”, “Broken Heroes”, “Fearless Hearts”, “Sarah” e “Baby I Miss You”. 

Com 56 anos de carreira e quase 50 albuns publicados a solo e com a banda Smokie, Chris Norman carreega consigo a travessia de 5 décadas de evolução de sonoridades, deixando a sua marca na década de ouro da música internacional quando em 1986 editou ”Midnight Lady”.

Para ver e recordar ”Midnight Lady”, “Some Hearts Are Diamonds”, “No Arms Can Ever Hold You”, “Broken Heroes” e ”Stumblin’ In” e uma actuação recente em 31.12.2019 em Zakopane, na Polónia, com as músicas ”Living Next Door To Alice / Oh Carol”.

Anterior

Valter Lobo ao vivo no facebook da Casa das Artes

Hoje no Campo Pequeno, ‘Deixem o Pimba em Paz’

Seguinte

Deixe um comentário

%d bloggers like this: